Os corruptos se adaptam às mentiras…

desenho-donald-lilo-pinochio-pocahontas-tarzan-e-jane-desenho-colorido-com-fundo-transparente-dibujos-ideia-criativa-2Os últimos anos têm sido bem conturbados. No Brasil e no mundo não faltaram exemplos de corruptos e mentirosos. Se toda a mentira realmente desencadeasse em um nariz grande, o mundo já seria habitado por Pinóquios. Brasília mesmo não teria espaço para tamanha narinas.

Eu sempre me perguntei: Será que esses políticos corruptos não tem um mínimo de vergonha? Mesmo com a desonestidade escancarada, o indivíduo continua deitando e rolando. Tenho chegado a conclusão que isso tem relação com a cultura da desonestidade e pode ter começado com pequenas transgressões, como colar na prova, lá no início da vida.

Você já agiu desonestamente? Você acha que sua ação foi menor ou maior que a dos outros? Muito difícil comparar, não é? Afinal desonestidade, sendo ela pequena ou grande, é uma forma de corrupção.

Pois então, esse texto é para você político corrupto que roubou dinheiro público. E também é para você corrupto que baixou software pirata na internet, é para você corrupto que parou seu carro na vaga de idoso, é também para você corrupto que assinou ponto de trabalho pelo amigo ou que entregou atestado médico falso, é para você corrupto que faz gato de internet a cabo, é para você corrupto que já falsificou carteirinha de estudante, é para você corrupto que dá o jeitinho brasileiro…

Bom, então está tudo certo, o texto é para todos nós!logo_campanha_corrupcao

O que é interessante é que as vezes a gente não precisa mentir quando fazemos alguns tipos de corrupção. Por exemplo, em determinados grupos sociais tendemos a assumir mais sobre a desonestidade só porque o grupo aceita aquela atitude. Exemplo: quando estamos inseridos em um grupo em que todos baixam músicas piratas na internet, achamos até desculpas para nos sentirmos melhores com nós mesmos: Os músicos querem ver suas músicas divulgadas e ouvidas por todos. Estou os ajudando. Para outras situações nas quais nossos amigos não nos aprovariam preferimos mentir sobre qualquer possível deslize. O grupo no qual estamos inseridos irá julgar suas desonestidades e, consequentemente, o seu caráter.

Dan Ariely, um pesquisador israelense da Duke University nos Estados Unidos, diz que diante a possibilidade de fazer algo errado para alcançar um benefício próprio, colocamos em jogo dois pesos: 1) o benefício em si e 2) como aquele desvio e mentira podem prejudicar nossa imagem perante aos outros. Cada um de nós comete pequenos deslizes na medida que ainda consegue se ver como uma pessoa de bom caráter e do bem. Se você está inserido em um grupo que acha que deixar de declarar as compras acima de $500.00 na alfândega é OK, isso não vai te afetar… Para o político, aceitar uma propina também faz parte do  ambiente social que ele está inserido.

Muita gente pratica pequenas desonestidades no dia a dia. O Dr. Ariely já avaliou mais de 35.000 pessoas. Sabe como? Ele deu um teste de matemática simples para as pessoas, mas deu pouquíssimo tempo para resolver as questões. Quando forçadamente o teste era finalizado, o pesquisador pedia que as pessoas contassem o número de respostas corretas, jogassem o teste fora em um triturador e o avisassem quantas respostas tinham acertado. O pesquisador, então, entregava uma recompensa em dinheiro proporcional aos acertados relatados. Em média as pessoas diziam que haviam acertado 60% das questões. A sacada é que o triturador não funcionava! Os pesquisadores podiam reanalisar o quanto cada pessoa realmente havia acertado e isso dava em torno de somente 40%. Ou seja, muita gente tomou proveito e mentiu, para ganhar um dinheirinho extra! Apesar de ter encontrado uma pequena porcentagem de grandes mentirosos e aproveitadores, a maioria das pessoas – PASMEM – cerca de 25.000, tendem a fazer pequenas ações desonestas em benefício próprio. E na some toda essa desonestidade tem um custo altíssimo para a sociedade.

Apesar disso tudo parecer parte da cultura humana, todos nós deveríamos analisar profundamente os pequenos delitos que comentemos e tomar consciência que praticar pequenos delitos e contar pequenas mentiras podem induzir as pessoas a cometer cada vez maiores desonestidades.

frase-a-mentira-e-como-uma-bola-de-neve-quanto-mais-rola-tanto-mais-aumenta-martinho-lutero-108688.jpg

É possível que além da mesma mentira ir crescendo como uma bola de neve, ela também estabeleça um plano basal que possibilita novas e maiores mentiras. Apesar do impacto dramático da desonestidade na economia, política e educação, nós ainda não temos um entendimento claro em como e por que pequenas corrupções podem gradualmente levar a grandes transgressões.

Como uma boa Neurocientista, eu tenho curiosidade para entender como o cérebro lida com as mentiras. Então como é que passamos a nos sentir confortáveis com determinada mentira após repetí-la ou até aumentá-la?

Um recente trabalho publicado na revista Nature Neuroscience é provavelmente o primeiro que testa com método científico a progressão da desonestidade em um ambiente controlado de laboratório. O trabalho também examina um mecanismo neuronal responsável por tal intensificação das mentiras. Muito provavelmente, aquele político que você e eu pensamos já não se incomoda mais com as mentiras que conta pois dizer pequenas mentiras dessensibiliza o cérebro para emoções negativas e pode encorajar a contar mais mentiras no futuro.

E como eles chegaram a essa conclusão?

Os cientistas da universidade Northwestern em Illinois, nos Estados Unidos, escanearam com um equipamento de ressonância magnética funcional o cérebro de voluntários enquanto eles desempenhavam uma tarefa de adivinhar a quantidade de dinheiro em uma jarra. No entanto, mentir sobre a quantidade de dinheiro na jarra poderia beneficiar ou não o voluntário em detrimento de outra pessoa que os cientistas diziam que estava jogando também. Foi encontrado que a desonestidade para servir ao interesse próprio em detrimento a outra pessoa aumenta progressivamente.

070702_r16377_p646-646-630.jpg
New Yorker Magazine

Para qualquer pessoa, contar uma pequena mentira ou cometer alguma ação desonesta pode causar sensações negativas como, por exemplo, ansiedade. Umas das regiões cerebrais responsáveis por decodificar a ansiedade é a amígdala (calma, não é aquela que você tirou da garganta, é um pedaço do seu cérebro). A amígdala é a região cerebral central associada com as emoções. O que o trabalho do Dr. Tali Sharot (autor sênior) mostrou é que a amígdala respondia mais fortemente nas primeiras ações desonestas que os voluntários faziam para obter um ganho pessoal. Com o passar do tempo, os cientistas encontraram que quanto menor a ativação da amígdala, maior a probabilidade do indivíduo progressivamente aumentar o nível de desonestidade. É uma bola de neve!

Infelizmente a resposta para aquela minha primeira pergunta: Será que esses políticos corruptos não tem um mínimo de vergonha?, é: Não, eles não sentem vergonha ou remorso. Considerando que a amígdala produz aquela sensação desagradável durante uma mentira e que ela vai se adaptando e ficando cada vez menos ativa, os desonestos se sentem confortáveis em mentir cada vez mais.

jz_le-nez-de-pinocchio-67869O que fazer com os políticos corruptos? Não sei exatamente mas minha opinião é que para os julgados e condenados: CADEIA. Aos outros: NUNCA MAIS TERÃO MEU VOTO!

O que eu sei é que pequenos atos de desonestidade pode desencadear adaptações que faz com que as pessoas pratiquem atos desonestos cada vez maiores. Por isso, analise sua consciência, cuide das crianças e dos adolescente, ensine-os com palavras, ações e exemplos. Educação é fundamental.

Curtam e compartilhem para, quem sabe, esse texto bata na porta de algum político descarado…

REFERÊNCIAS

Neil Garrett, Stephanie C Lazzaro, Dan Ariely, Tali Sharot. The brain adapts to dishonesty. Nature Neuroscience, 2016; DOI: 10.1038/nn.4426

Dan Ariely – The Honest Truth About Dishonesty – The Amazing Meeting 2013

Dan Ariely – The dishonesty project

www.newyorker.com/magazine/2007/07/02/duped

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s